today777 -O coordenador executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), Kleber Karipuna, reagiu

Decisão Judicialtoday777 - Inconstitucional, Afirma Apib

O coordenador executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib),today777 - Kleber Karipuna, reagiu à decisão da justiça paulista que proibiu a realização de um protesto de indígenas Guarani contra o marco temporal.

Continua após publicidade

"É uma decisão totalmente inconstitucional. Mais uma vez vemos que o Estado brasileiro atua com todas as forças contra os povos indígenas e contra o direito de manifestação. Nós vamos tomar as providências necessárias enquanto movimento indígena", afirmou Karipuna ao Brasil de Fato.

Moradores da Terra Indígena Jaraguá, no noroeste paulistano, planejavam um ato contra o marco temporal, que será analisado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 7 de junho. O local escolhido foi a rodovia dos Bandeirantes, onde já havia ocorrido um protesto indígena na terça-feira (30)

O ato, marcado para este domingo (4), havia sido permitido no acostamento da rodovia por uma decisão liminar - ou seja, temporária - de primeira instância judicial.

Atendendo a um pedido da concessionária da rodovia, CCR AutoBan, a desembargadora Maria Lúcia Pizzotti reverteu a autorização e proibiu neste sábado (3) o protesto convocados pelos indígenas.

:: Justiça paulista proíbe protesto de indígenas contra marco temporal ::

"Vamos entrar na Justiça para conseguir a derrubada dessa decisão monocrática e arbitrária de uma juíza que não entende e não conhece o que está em jogo no julgamento do marco temporal", disse o coordenador da Apib.

A magistrada afirma em sua decisão que a proibição serve para resguardar a integridade física dos manifestantes e citou histórico de acidentes na rodovia dos Bandeirantes.

"A decisão não diz em que lugar o protesto tem que ser feito", apontou Karipuna. "E os parentes Guarani do Jaraguá estão protestando próximo a seu território, sua área de moradia. É uma decisão inconstitucional, incabível e fere totalmente os direitos previstos pela nossa Constituição", completou.

Em caso de descumprimento, a juíza determinou multa de R$ 20 mil e uso de força policial.

"Os povos indígenas têm o direito de serem contrários ao marco temporal e fazerem manifestações pacíficas e ordeiras, garantindo o direito de ir e vir de todo o cidadão brasileiro no fechamento da rodovia, com pistas liberadas para a passagem de veículos, sem ferir o direito de ir e vir de ninguém, mas garantindo direito de manifestação", declarou o coordenador da Apib.

Edição: Thales Schmidt


Relacionadas

  • Justiça paulista proíbe protesto de indígenas contra marco temporal

  • Aprovado na Câmara e pendente no Senado, marco temporal volta ao STF após dois anos

  • Mais um indígena Pataxó é alvo de ataque em território ameaçado por Marco Temporal na Bahia

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap