onlinecasinosites -O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Raul Araújo, determinou a quebra dos sigilos bancá

Quebra de Sigilos Baonlinecasinosites -ncário e Telefônico Autorizada pelo STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ),árioeTelefôonlinecasinosites - Raul Araújo, determinou a quebra dos sigilos bancário e telefônico do governador do estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL). 

Continua após publicidade

A informação do blog da jornalista Malu Gaspar, do jornal O Globo, revela ainda que a quebra do sigilo foi solicitada pela Polícia Federal junto com buscas realizadas na Operação Sétimo Mandamento, deflagrada nesta quarta-feira (20) pela PF que fez apreensões na casa de Vinícius Sarciá Rocha, irmão de criação de Castro. O agentes encontraram na casa de Rocha a quantia de R$ 128 mil e US$ 7,5 mil em espécie, além de anotações e planilhas com nomes, valores e porcentagens.

Ao todo, Araújo expediu sete medidas de afastamento de sigilo bancário e fiscal e seis medidas de afastamento de sigilo telemático. Castro não é alvo das buscas. Na mira da operação estão o presidente do Conselho de Administração da Agência Estadual de Fomento (Agerio) e irmão de Castro, Vinícius Sarciá Rocha; a subsecretária de Integração Sociogovernamental e de Projetos Especiais da Secretaria estadual de Governo, Astrid de Souza Brasil Nunes; e Allan Borges Nogueira, gestor de Governança Socioambiental da Companhia de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae).

Na quebra de sigilo telemático, os investigadores têm acesso à lista de e-mails, ligações e mensagens trocadas pelos alvos da apuração em um determinado período. No caso da operação sobre o grupo político de Castro, o período das quebras varia conforme o investigado, mas em alguns casos chega até 2023.

Operação Sétimo Mandamento

De acordo com a PF, a Operação Sétimo Mandamento investiga crimes de peculato, corrupção e lavagem de dinheiro, que teriam sido praticados na execução dos projetos Novo Olhar, Rio Cidadão, Agente Social e Qualimóvel entre os anos 2017 e 2020.

Ao todo, a Polícia Federal informou que foram identificados pagamentos de vantagens ilícitas variáveis entre 5% e 25% dos valores dos contratos na área de assistência social, que totalizam mais de R$ 70 milhões.

De acordo com as investigações, a organização criminosa penetrou nos setores públicos assistenciais sociais no âmbito do estado do Rio de Janeiro e realizou fraude a licitações e contratos administrativos, desvio de verbas públicas e pagamentos de "propinas" aos envolvidos nos esquemas criminosos.

"O grupo obteve vantagens econômicas e políticas indevidas, pois procurou direcionar a execução dos projetos sociais para seus redutos eleitorais, aproveitando-se também da população mais necessitada", informa a nota da PF.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Jaqueline Deister



Relacionadas

  • PF e MPRJ deflagram operação contra núcleo financeiro da maior milícia do Rio

  • Deputada estadual Lucinha é afastada por suspeita de ligação com a milícia de Zinho no Rio

  • Impopularidade de Claudio Castro no Rio é obstáculo para aliados em eleição para a Prefeitura

Outras notícias

  • Principal grupo armamentista do Brasil tem quatro pré-candidaturas no Rio de Janeiro

  • O que os últimos homicídios cometidos por policiais significam no debate sobre armamento?

  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap